Amanhã é o dia do Professor

- quinta-feira - 15/10/2015 Editorial

As comemorações datam de 15 de outubro de 1827, quando Dom Pedro I, Imperador do Brasil, baixou um Decreto Imperial que criou o Ensino Elementar no Brasil. Pelo decreto, "todas as cidades, vilas e lugarejos teriam suas escolas de primeiras letras". Esse decreto falava da descentralização do ensino, o salário dos professores, as matérias básicas que todos os alunos deveriam aprender e até como os professores deveriam ser contratados. A ideia, inovadora e revolucionária, teria sido ótima caso tivesse sido cumprida.

Mas foi somente em 1947, 120 anos após o referido decreto, que ocorreu a primeira comemoração de um dia efetivamente dedicado ao professor. Começou em São Paulo, no Ginásio Caetano de Campos. Quatro professores tiveram a ideia de organizar um dia de parada para se evitar a estafa e também de congraçamento e análise de rumos para o restante do ano.

A celebração, que se mostrou um sucesso, espalhou-se pela cidade e pelo país nos anos seguintes, até ser oficializada nacionalmente como feriado escolar pelo Decreto Federal 52.682, de 14 de outubro de 1963. O Decreto definia a essência e razão do feriado: "Para comemorar condignamente o Dia do Professor, os estabelecimentos de ensino farão promover solenidades, em que se enalteça a função do mestre na sociedade moderna, fazendo participar os alunos e as famílias".

Hoje, notamos que a profissão docente é uma das mais difíceis e os professores têm desafios todos os dias, como ensinar o aluno a pensar, a pesquisar, etc. Até mesmo o professor aprende todos os dias e a formação continuada deve ser uma constante na vida dele e, até mesmo, de todos os profissionais, pois o problema é a velocidade. Portanto, para dar conta de um mundo que muda cada vez mais rápido, não há nada mais pertinente do que saber pensar.

Também é visível a insatisfação de muitos "profissionais da educação", reclamando sobre a sua prática, dizendo que está cada vez pior de se desenvolver um bom trabalho, pois também já não se tem, segundo estes, uma base, uma estrutura a seguir. A cada dia surgem novos pensadores e pressupostos que vêm mudar a educação. A verdade é que essa busca por melhores condições de ensino/aprendizagem são de extrema importância.

A formação continuada de professores, novas estratégias, dinâmicas, têm de ser estudadas e aperfeiçoadas. Não podemos parar no tempo achando que sabemos tudo. Sempre fizemos assim e deu certo, porque mudar então?

A mudança é preciso, pois as pessoas já não são as mesmas, o mundo já não é o mesmo e o mercado de trabalho está exigindo pessoas que sejam realmente capacitadas, que estejam dispostas a estudarem e a renovarem sempre.

Muito se tem falado sobre a questão do ser educador e o estar educador. O maior problema da educação no Brasil é justamente esse, pois temos pessoas envolvidas na educação que são despreocupadas, que estão apenas para receber o salário no final do mês e ainda reclamam. Infelizmente, temos governos que fingem pagar os professores e professores que fingem que ministram aulas.

                                                                                   

Mais notícias: Editorial

Últimas notícias:

receba o impresso no e-mail em pdf