A tragédia na BR-282

- quarta-feira - 28/10/2015 Editorial


O desfecho final do pior acidente já registrado em rodovias catarinenses está sendo acontecendo em Chapecó, hoje, quarta-feira. O motorista acusado de provocar o segundo acidente da tragédia da BR 282 está sendo julgado. Ferrari sentará no banco dos réus oito anos depois do duplo acidente que matou 27 pessoas em outubro de 2007.  

De um lado, os parentes das vítimas e sobreviventes clamando por justiça e de outro uma família honesta e trabalhadora vendo o sustentáculo do lar sendo enviado para a cadeia. Tudo isso por uma sucessão de erros. Entre os cruciais, o não isolamento do local do acidente e a decisão trágica de Ferrari de ter seguido pela BR na contramão. Acrescente-se também o erro da empresa proprietária do caminhão em deixar o veículo circular sem as mínimas condições.

Uma coisa se pode afirmar: Rosinei Ferrari não é bandido. Quem o conheceu na cadeia em Descanso sabe que ele não é do ramo criminoso, nem tem perfil de presidiário. Porém, terá que responder pela morte de 16 pessoas e pelos 40 feridos por ter tomado uma decisão errada que custou caro a ele, aos seus e, claro, às famílias de todas as vítimas fatais.

A justiça brasileira é conhecida de todos por ser lenta demais, cheia de brechas e, normalmente, por não atender os anseios da sociedade. Nesse caso, a lentidão redundou em oito anos de espera. O capítulo final dessa história trágica sai hoje. Apesar do longo tempo, ninguém esquece aquela noite, especialmente familiares de todas as vítimas massacradas em dois acidentes bárbaros com intervalo de uma hora e meia entre um e outro.

Ao tomar a decisão errada, Rosinei Ferrari não tirou apenas a vida de 16 inocentes, mas também acabou com a sua. Não se sabe qual pena lhe será aplicada pela justiça, mas, certamente, seu erro não está sendo impune. Basta saber agora se a cadeia será o seu maior castigo e se isso vai aplacar a dor dos que perderam seus entes queridos.

 

 



Mais notícias: Editorial

Últimas notícias: