Os alunos bisonhos

- sexta-feira - 04/11/2016 Boca no Trombone

Setores da imprensa decidiram transformar em heroína a estudante Ana Júlia Pires Ribeiro, que integra o grupelho de invasores de uma escola pública no Paraná. Num discurso na Assembleia, essa garota acusou os deputados de estarem “com as mãos sujas de sangue”. Foi interrompida, e com razão, pelo presidente da Casa, Ademar Traiano (PSDB), que afirmou que não toleraria ofensa aos deputados.

Mais tarde, soube-se que a dita estudante havia sido meticulosamente treinada pelo pai para fazer o tal discurso. E o pai, nada mais é que um militante filiado ao PT do Paraná. Ou seja: usou a própria filha para tentar impor suas convicções ideológicas, assim como os professores doutrinadores de mentes incautas.

O deputado esqueceu de informar para aquela fedelha que os deputados aprovaram a PEC 241 com 2/3 dos votos, votos que os bisonhos não têm para legitimar a invasão e depredação do patrimônio que não é dos bisonhos, mas de todos.

Também esqueceram de informar aos bisonhos que a PEC não se limita em restringir gastos da saúde e da educação. Os próprios legisladores não poderão mais votar os seus respectivos aumentos de salário na calada da noite. Não vai adiantar os condutores e amestradores de alunos fazer greve por aumento de salário, porque não vão receber nada além do previsto na PEC.

As invasões nas escolas do Paraná só teve um resultado prático. Um adolescente de 16 anos foi assassinado a facada por outro adolescente de 17, no Colégio Safel, no bairro de Santa Felicidade, em Curitiba.  Ele teve ferimentos na clavícula e na barriga, e já estava em óbito quando os socorristas chegaram ao local. De acordo com a polícia, os adolescentes estavam usando drogas juntos quando ocorreu o assassinato, dentro da escola.

Vale lembrar aos bisonhos que, no próximo ano, ou a partir de 2018, estarão à procura de emprego. Terão que garimpar o emprego nas empresas privadas ou nos concursos públicos. O empresário dá emprego para quem ele quiser e para baderneiro normalmente não dá. Já no setor público você deve estar preparado intelectualmente. E invasor não prepara nem para o Enem e muito menos para concurso público.

Mas o Estatuto da Criança e do Adolescente nos diz que a responsabilidade pelos nossas crianças e adolescentes é da sociedade, da família e do Estado. Os 2/3 dos legisladores podem mudar, inclusive, o famigerado Estatuto. Pode ser alterado e a redução da maioridade penal e a Lei Antiterrorismo é uma questão de tempo.

Estamos numa Democracia. Se você quer ser analfabeto funcional, pode; se quiser ficar eternamente no Bolsa Família, pode; se quiser se contentar com pouco, conforme orientação de um certo padreco, na igreja construída por um povo ordeiro e trabalhador, pode.

Porém, se você estiver sonhando com casa, apartamento, carro, moto, família, andar com as próprias pernas e não se contentar com esmolas governamentais, então estude.

 

 

Mais notícias: Boca no Trombone

Últimas notícias: