Últimas AGEU VIEIRA

  • Coluna do dia 29/03/2016


    Barragem

     

    O juiz federal Márcio Engelmann tem se envolvido diretamente nas questões mais importantes e polêmicas da região de fronteira. Há algumas semanas, foi a campo para averiguar a situação das rodovias. No ano passado, esteve numa audiência pública em Itapiranga para discutir o projeto de construção de uma barragem no Rio Uruguai. O tema é espinhoso e existe um grande movimento na comunidade contra a implantação da hidrelétrica. Hoje, com a situação caótica da política brasileira, não há espaço para o governo bater de frente contra a vontade do povo. Por via das dúvidas, Engelmann foi até Itapiranga para ouvir a população.

     

    Anônimo

     

    Moradores de Itapiranga me contaram que antes da audiência pública o juiz Márcio Engelmann foi visitar as comunidades e conversar com a população ribeirinha para saber qual o impacto e a opinião das pessoas sobre a construção da hidrelétrica. Não se identificou como juiz federal e depois de conversar foi embora. Somente mais tarde, na audiência pública, as pessoas souberam que aquele com quem conversaram nas suas propriedades era um juiz federal. Isso revela um magistrado empenhado em fazer justiça e atender o interesse público, acima de projetos ou vontades individuais.

     

    Fardo

     

    O peso de ficar a favor do governo nas horas de crise política e institucional costuma ser implacável. Hoje, estamos vendo o deputado federal Celso Maldaner claudicante ante a opinião pública quase unânime contra o governo Dilma Rousseff e o seu desejo pessoal, revelado na campanha eleitoral, de apoiar a presidente. Não há pesquisas na região, mas o apoio à Dilma restringe-se ao PT e algumas pessoas que não são filiadas ao partido, mas tem uma posição ideológica mais afinada com essa corrente política. A grande maioria quer Dilma fora do poder. Celso Maldaner, até ontem, claudicava na hora de analisar a posição sobre o impeachment. Oficialmente, estava em cima do muro.

     

    Condena

     

    O passado mostra que o eleitor não perdoa quem se omite ou vai contra a voz que vem das ruas. Nas Diretas Já, a região tinha uma liderança política muito promissora, que foi varrida das urnas. João Valvitte Paganella, ex-secretário do Oeste, foi eleito como um dos deputados federais mais votados de Santa Catarina, fazendo mais de 70 mil votos, um fenômeno nas eleições de 1982. Ficou contra as Diretas Já, que mobilizou o Brasil inteiro, como agora faz o movimento pelo impeachment de Dilma. Paganella, de fenômeno passou direto para o ostracismo. Nunca mais se elegeu para nada e acabou abandonando a carreira política. Nas urnas, o eleitor realmente não perdoa.

     

    Difícil

     

    Com a campanha eleitoral se avizinhando, a situação de alguns prefeitos da região parece muito difícil para quem pretende buscar a reeleição ou fazer o sucessor. Tem gente que já jogou a toalha e nem pretende tentar mais nada. Em alguns casos, apesar da insistência, a situação é tão grave que os atuais prefeitos correm o risco de fazer feio nas urnas. Em vários municípios, as chances da oposição cresceram muito em 2015 e principalmente neste início do ano, por conta da crise econômica, da falta de ação político-administrativa, da paralisia da máquina governamental, mas, principalmente, por causa de problemas mais graves, que geraram ações judiciais, bloqueio de bens e o risco de condenações.

     

    Renovação

     

    Na maioria dos municípios da região, a chance dos novatos cresceu nos últimos meses. A população não está mais tão propensa a avalizar políticos tradicionais, velhos projetos e o mesmo discurso surrado de sempre. Parece que a população está mais criteriosa e vai votar a contragosto. Se o voto fosse facultativo, a grande maioria nem sairia de casa. Os candidatos terão que fazer esforço muito maior para demonstrar qualidades, projetos, seriedade e, principalmente, honestidade. O passado mostrou a força do voto na região quando em 1985 varreu a Arena do cenário político. Era o pós-Diretas Já. O eleitor tem dado claros sinais de que vai limpar a casa novamente.

    04/04/2016 Leia...

    -

  • Coluna do dia 23 de Março de 2016


    Definindo

     

    Uma reunião ocorrida este mês praticamente selou uma das chapas para a disputa das eleições a prefeito de São Miguel do Oeste. Os partidos menores foram chamados para a discussão. Nela, o pré-candidato Decândido Magrão, do PPS, confirmou o desejo de concorrer a prefeito. Não é novidade, visto que até já tinha dado entrevistas como pré-candidato. A novidade foi a quase definição de que o candidato a vice-prefeito será Antônio Carlos Souza Filho, do PSB. Assim, Decândido e Antônio Carlos são os primeiros que se colocam na disputa pela prefeitura de São Miguel do Oeste.

     

    De olho

    O juiz federal de São Miguel do Oeste Márcio Engelmann fez uma inspeção judicial nas rodovias BR-163, BR-282 e BR-158 na semana passada. Tirou fotos das situações mais graves que encontrou e, algumas, até publicou na internet. A Justiça Federal de São Miguel do Oeste passará a fiscalizar a execução dos contratos de manutenção nessas rodovias, após o ajuizamento de ações civis públicas com esse objetivo pelo Ministério Público Federal. O juiz considera um dado muito importante: não há previsão concreta para a retomada das obras de revitalização e ampliação da BR-163 entre São Miguel do Oeste e Dionísio Cerqueira e respectivas indenizações, que são objeto de outro contrato.

     

    Recorre

    Na semana passada, por falta de espaço, não saiu uma notinha na coluna. Nela, informei que a vereadora Cristiane Massaro disse que, inicialmente, não pretendia recorrer da liminar, afastando-se do cargo para a posse da primeira suplente, vereadora Claudete Fabiani. Conforme ela, a decisão já havia sido tomada, mas foi revertida no final de semana seguinte. A mudança ocorreu em função de entrevista do presidente do PMDB, Moacir Martello. A presidente da Câmara disse que nos próximos dias vai recorrer da decisão do Tribunal Regional Eleitoral, devendo aguardar pela decisão final no exercício do cargo.

     

    Perda

    Morreu nesta semana, em trágico acidente na SC 161 o ex-vereador e ex-prefeito de Romelândia, Reni Villa. Com isso, os dois últimos prefeitos eleitos do município são falecidos. Perdas políticas evidentes e sem explicações, já que as duas foram mortes violentas e trágicas. No caso de Villa, um atropelamento quando fazia caminhada matinal à margem da rodovia. Detalhe: a SC 161 não tem acostamento, o que transforma essa atividade física no local uma ação de alto risco. Do ponto de vista político, Villa estava fora da disputa deste ano. Pelo que se desenha, a prefeitura deverá ser disputada, em princípio por Flandes Schlindwein e Marcos Borghetti.

     

    Mudança

    O quadro pró-impeachment da presidente Dilma Rousseff vem mudando radicalmente entre os representantes de Santa Catarina em Brasília. Há uma semana, havia cinco indecisos. Eram o senador Dário Berger (PMDB), e os deputados federais Celso Maldaner (PMDB), Edinho Bez (PMDB), Mauro Mariani (PMDB) e Jorge Boeira (PP). Quatro mudaram de posição e passaram a apoiar o impeachment nos próximos dias. Hoje, Santa Catarina só tem um indeciso. É o deputado do PMDB de Maravilha, Celso Maldaner. Contra o impeachmento, só 3 dos 19 representes do Estado: são os deputados federais Pedro Uczai (PT), Décio Lima (PT) e Angela Albino (PC do B). 

    24/03/2016 Leia...

    -

  • Coluna do dia 28 de Outubro


    Confirmou

     

    A notícia dada em primeira mão neste espaço, de que a Fundação São Camilo estaria deixando o Hospital Regional está se confirmando. Como o restante da imprensa divulgou nos últimos dias, a entidade já se prepara para sair de São Miguel do Oeste. Como vai ficar o Hospital Regional? Qual a solução que as autoridades e o Governo do Estado estão buscando? O certo é que não se pode deixar as coisas acontecerem sem nenhuma atitude, pois a questão é de saúde pública. Logo, essencial.

     

    Demissões

     

    Alguns profissionais já estão sendo desligado e o corpo clínico, formado por técnicos, enfermeiros e médicos do Hospital Regional. Já foi comunicado que todas as demissões vão ocorrer até o dia 15 de novembro. É certo que muitos serão recontratados, pois não há como tocar um hospital sem corpo clínico. Para alguns, todavia, o final do ano será de preocupações. E tinha gente achando que o final do ano deveria chegar logo, pois pior do que está não podia ficar...

     

    Dúvidas

     

    As eleições do ano que vem em São Miguel do Oeste estão chegando cercadas mais de dúvidas do que certezas. As mudanças de partido geraram um quadro de indefinições. As decisões judiciais colocaram muita gente fora do páreo. Ex-vereadores, prefeitos e ex-prefeitos, lideranças boas de voto, estão sem condições de disputar as eleições municipais, tanto aqui quanto nos municípios vizinhos. Primeiro é preciso ver quem pode concorrer, para depois discutir alianças e composições.

     

     

     

    Chapéu

     

    Uma das grandes dúvidas que cercam a eleição é para saber com quem o Partido da República (PR) vai coligar. Na eleição passada o Partido Progressista (PP), o segundo maior da cidade em número de filiados e um dos mais tradicionais, levou um tremendo chapéu por erro de avaliação. Aliou-se ao PR, elegeu dois vereadores e ficou sem nenhum vereador na Câmara. Os eleitos, Idemar Guaresi e José Giovenardi, agora, dependem de alianças para continuar na Câmara. Alguém se habilita?

     

    Não rolou

    Um importante integrante do PT procurou, nos últimos dias antes do prazo final, a cúpula do PDT para verificar as condições de aceitação de uma mudança de partido. Sondou para saber como seria aceito junto aos brizolistas. Ficaria muito estranho. O líder petista é um dos maiores críticos do governo João Valar. Iria mudar o discurso, agora, para acompanhar os pedetistas? Iria continuar criticando, mesmo na base governista? O certo é que não rolou.

     

    Terceira via

    Na oposição (será?), o PSDB se reforçou para disputar a eleição majoritária. Trouxe Moacir Fiorini e Cristiane Zanatta com esse propósito. E agora? A proposta será criar uma terceira via? PMDB e PSD de um lado, PP e PT de outro e o PSDB correndo por fora? Nesse caso, seriam necessários mais alguns reforços, alianças mais amplas para buscar musculatura suficiente para a disputa. Tem gente falando que o PSDB estadual estaria disposto a investir um milhão de reais para preparar o partido, já pensando na eleição presidencial de 2018.

     

    Tríplice?

    Se a ideia dos tucanos é concorrer pela oposição, sem terceira via, há uma dúvida enorme. O PSDB quer se fortalecer para 2018 contra o PT. O PT vai se coligar e ajudar a fortalecer os tucanos em São Miguel do Oeste? E como ficam os progressistas? O ex-prefeito Gilmar Baldissera já tem se colocado como candidato a prefeito. O PT abriria mão da chapa majoritária para viabilizar uma tríplice aliança? PT, PP e PSDB juntos? Como se vê, realmente as dúvidas são muitas.

     

    Pérola

    Essa ocorreu no debate da Rede Peperi, em Itapiranga. O prefeito Vunibaldo Rech, já falecido, participava do debate quando foi questionado pelo mediador, Marcos Meller, sobre quais seriam as suas propostas para a Educação. Muito nervoso, Vuni, como era mais conhecido, remexeu em suas anotações, olhou para os lados e o relógio foi correndo. Ele não falava nada. Meller repetiu a pergunta. O nervosismo aumentou ainda mais. O ex-prefeito, sem conseguir se achar na papelada, tascou: “essa eu passo!”. Só faltou chamar os universitários.

     

    29/10/2015 Leia...

    -

  • Ageu Vieira


    Justiça

     

    A corrida pela cadeira de prefeito de São Miguel do Oeste vai depender de decisões judiciais. Vários candidatos em potencial estão enrascados em ações, sentenças e liminares e ainda é cedo para dizer quem estará em condições de concorrer. De qualquer sorte, antes de definir os candidatos, será preciso ultrapassar a barreira judicial, que separa quem é ficha suja de quem é ficha limpa. Como existem sentenças recorríveis, ainda é prematura qualquer projeção.

     

    Definido

     

    Encerrado o prazo para mudanças de partido, o quadro agora está definido. Quem mudou, mudou. Quem não mudou, não muda mais. No final das contas, o número de mudanças nem foi tão significativo. Algumas lideranças importantes migraram de uma sigla para outra já pensando nos espaços para a disputa majoritária, como foram os casos do ex-vereador Moacir Fiorini e da presidente da Câmara de Vereadores, Cristiane Zanatta.

     

    Tucanos mais fortes

     

    Dois partidos tiveram reforços importantes. PDT e PSDB estão comemorando a aquisição de lideranças para a disputa eleitoral do ano que vem. Numa primeira análise, parece que os tucanos saíram mais reforçados, com o ingresso de Fiorini e Cris. O PDT também aponta lideranças empresariais e populares, que poderão reforçar a chapa para a eleição proporcional do ano que vem.

     

    Sem líder

     

    O PSOL de São Miguel do Oeste tinha uma referência no senador Randolfe Rodrigues, uma liderança jovem, com ideias claras e um discurso que agrada a esquerda. Era fundador do partido e um de seus poucos representantes no Congresso Nacional. No final de setembro, o senador anunciou a saída da agremiação. Está ingressando na Rede Solidariedade, partido formado pela ex-senadora e candidata a presidente da República Marina Silva. Quem também saiu foi a ex-senadora Heloísa Helena, que tomou o mesmo rumo. Deixaram o barco do PSOL à deriva.

     

    Alto nível

     

    Dia desses conversava com o Odacir Balbinot e ele reclamava da falta de pessoas em condições de manter uma discussão séria, de alto nível, a respeito de política. O senso comum, a avaliação rasa, é de que tudo virou uma bandalheira. Essa sensação não permite refletir sobre o que está ocorrendo no Brasil. O coletivo já percebeu que o mau-caratismo tomou conta da política, mas existem pessoas que raciocinam e buscam as saídas. Essas discussões a gente promove nas ruas. A fictícia Cooperfolga, um ponto de encontro na Santos Dumont, é um desses locais, como é a Boca Maldita, em Chapecó e Curitiba, ou o Ponto Chic, em Florianópolis.

     

    Rumores

     

    Crescem os rumores de que a Sociedade São Camilo não vai renovar o convênio para administração do Hospital Regional do Extremo Oeste. A entidade não está satisfeita com a proposta de repasse de recursos do Governo. Pelo convênio de terceirização, os camilianos entram com toda a mão de obra e os encargos e o Estado repassa os recursos necessários, sem precisar contratar novos servidores estatutários. Nestes tempos de crise, o dinheiro repassado mensalmente é insuficiente para cobrir as despesas do hospital. O contrato com o Estado vai até o final do ano.

     

    Pérola

     

    O ex-prefeito Pedro Rodrigues, de Barra Bonita, conhecido como Pedro Bigode, é talvez uma das mais folclóricas figuras da política da fronteira em toda a história. Inúmeras são as pérolas de Pedro Bigode, especialmente no rádio. Guardo muitas em meus arquivos, até porque tenho um grande carinho pelo ex-prefeito. Um dia, entrevistando Pedro Bigode na Rádio Peperi, ele relatou que o problema das chuvas e alagamentos estava ficando sério, pois continuava “chovendo pra cima lá no Alto Caçador”. Realmente, em Barra Bonita, se bobear até chove para cima.

    15/10/2015 Leia...

    -

  • Coluna do dia 30 de Setembro de 2015


     

     

    01/10/2015 Leia...

    -

  • Ageu Vieira


    Dança de partidos
    Começou a dança nos partidos em São Miguel do Oeste. O PDT está envolvido na maioria delas. O ex-vereador Moacir Fiorini deixou a sigla e ingressou no PSDB, anunciando candidatura a prefeito. O ex-vereador Genésio Colle vem sendo assediado, mas não deu nenhum indicativo de que vá trocar de casa. O PSD não esconde o desejo de vê-lo concorrendo pela agremiação nas eleições do ano que vem. O PDT também vem filiando muita gente. Já foram anunciados mais de 20 novos filiados. Entre eles, um dirigente empresarial importante na cidade.
    Muito altos?
    A leitora Patrícia Dalmina questiona a altura dos edifícios que estão em construção ou foram projetados em São Miguel do Oeste. Acha que são muito altos e que isso criará problemas nos próximos anos. A discussão é velha. Na década passada houve debate acalorado e ambientalistas conseguiram impor regras. Empresas e investidores questionaram e a regra foi flexibilizada. A cidade comporta os prédios que estão sendo projetados? A concentração urbana trará problemas? O crescimento deve ser limitado? O tema é polêmico.
    Alguém entendeu?
    Na última sessão da Câmara de Vereadores, provavelmente por ser 13 de agosto, mês de cachorro louco como dizia meu avô, o vereador José Giovenardi discursava sobre a aplicação de verbas públicas, quando saiu com essa: “O dinheiro público deve ser bem aplicado. Aliás, dinheiro público não, porque dinheiro público não existe. O que existe é dinheiro do povo!”. Perdoe, vereador Zé, mas não entendi nada. Ou seria o estilo retórico da presidente Dilma Rousseff fazendo seguidores?
    Pérolas
    Às vezes, falar em público é complicado. Escapam pérolas gigantescas. Um dia, em entrevista na Rádio Peperi, o ex-presidente da FETAESC, Hilário Gottselig, explicava como seria o protesto dos agricultores em Brasília: “Vamos estar com cinco mil pessoas pressionando, mobilizando, passeando... aliás, ãããhh... passeatas!” Pior do que essa só o Flávio Ramos anunciando na cerimônia de entrega do troféu ‘O Guarani’ os ganhadores na categoria de Produtores de Frango de Leite...
    Blitz
    A Polícia Militar vem fazendo blitz quase permanente nas ruas da cidade. A presença ostensiva da Polícia Militar nas ruas, fazendo blitz, pedindo documentos e agindo sem truculência é sempre um fato positivo. A população quer ver a PM exercendo seu papel. Os motoristas reclamam que é só para arrecadar, pois tem muita gente com o IPVA atrasado na cidade. Pelo sim, pelo não, melhor andar com os documentos em dia. Quem não deve, não teme.
    - Este conteúdo também está no blog: ageuvieira.blogspot.com.

                 

     

    26/08/2015 Leia...

    -

  • Opinião


    Chapas quentes
    Os partidos estão se movimentando, esta semana, com reuniões importantes, tanto na situação, quanto na oposição. E, neste momento, a eleição promete ser das mais disputadas dos últimos anos. Os bastidores apontam para a repetição da chapa João Valar e Wilson Trevisan, para a reeleição. Do outro lado, na segunda-feira, se alinhavou a chapa com o ex-prefeito Gilmar Baldissera, do PP, concorrendo a prefeito, e Juarez da Silva, do PT, concorrendo a vice. O PSDB sinaliza com apoio a essa chapa.
    Marketing sem noção
    O Palácio do Planalto lançou uma mensagem usando uma obra de Charles Chaplin, para “comemorar” a medida que reduziu a jornada de trabalho e os salários para garantir empregos. A mensagem dizia “Jornada de trabalho menor... e meu emprego garantido”. Lógico, sem citar a redução de salários. A repercussão negativa foi tanta que horas depois retiraram a mensagem do ar. A pérola do marqueteiro se completa com o uso do filme de Chaplin. Afinal, era um filme-denúncia, que colocava os trabalhadores como explorados em “Tempos Modernos”. Sem querer, disse que os trabalhadores estão sendo explorados nestes “novos tempos”...
    Projetando exemplos
    Recebemos, dias atrás, uma comitiva de argentinos de Oberá e um pedido de cópia do projeto de desenvolvimento da cidade, que o secretário Renato Romancini se referiu em uma mensagem pelo Facebook, em meu perfil. Meu amigo, “abogado” Sílvio Yoni Contreras, quer conhecer esse projeto, pois há interesse em seguir caminho semelhante, em Oberá. Os “hermanos” ficam encantados com a nossa cidade, pela limpeza, organização e desenvolvimento, mas principalmente nas áreas econômica e de urbanismo.
    Ouvir a comunidade
    Estive conversando com Romancini sobre essas impressões dos argentinos acerca de nossa cidade e ele me expos o projeto, que será levado para discussão com a comunidade. Está correto. Creio que o planejamento de uma comunidade só será completo quando as pessoas comuns do povo forem ouvidas. Grandes projetos, construídos em gabinetes, sem ouvir os principais interessados, estão fadados ao fracasso. Por melhor que sejam, falta-lhes o “pertencimento”. Um exemplo: um plano diretor que não acolhe sugestões e opiniões da comunidade, torna-se um ordenamento alienígena, imposto à população e normalmente questionado. É preciso saber ouvir a população.
    Denúncia arquivada
    Uma denúncia anônima foi levada ao Ministério Público, contra o assessor jurídico da Câmara de Vereadores, Luiz Pichetti. A denúncia era de que o advogado estaria acumulando funções de assessorias para várias câmaras e prefeituras da região, o que é vedado pela obrigatoriedade de cumprimento de horário. A promotoria investigou e a denúncia acabou sendo arquivada pelo Ministério Público. Afinal, não se constatou qualquer irregularidade no trabalho desenvolvido na Câmara de Vereadores pelo advogado Luiz Pichetti.
    Tudo certo
    O Ministério Público também investigou a situação das casas noturnas de São Miguel do Oeste. Por conta da tragédia da boate Kiss, em Santa Maria, que vitimou inclusive jovens de nossa região, a preocupação dos promotores faz sentido. Ninguém quer que esse fato absurdo se repita conosco. O inquérito civil foi arquivado após a constatação de que as nossas casas noturnas estão todas de acordo com as leis, tanto no que se refere à documentação, quanto à segurança. Melhor assim.
    Rapidinhas
    - Os consumidores podem exigir na Justiça, a revisão dos valores abusivos de reajuste da energia elétrica? Afinal, os aumentos ferem dois princípios: da economicidade e da eficiência...
    - Parabéns ao SESC, pela colocação de um estacionamento para bicicletas na esquina da Sete de Setembro com a Santos Dumont.
    - Os espaços que sobraram nas esquinas do centro, onde está sendo feita reurbanização poderiam receber mini-praças, com bancos, para as tardes de chimarrão.
    - Este conteúdo também estará no blog: ageuvieira.blogspot.com.

     

    17/07/2015 Leia...

    -

Anúncios

receba o impresso no e-mail em pdf