Últimas ECONOMIA

  • Vagas de emprego do SINE – 28-01-2012


    Masculino Motorista c/ experiência p/ trabalhar ( 4 vagas) Auxiliar de padeiro Técnico de montagem Auxiliar de escritório c/ experiência Serviços gerais ( 5 vagas) Linha de produção Analista de suporte de banco de dados( hardware e software) Auxiliar de mecânico Pedreiro – servente – carpinteiro e operador de carga( 2 vagas de cada) Borracheiro Pizzaiolo Auxiliar de açougue Vendedor externo( 4 vagas) Padeiro c/ experiência Repositor de mercadoria ( 3 vagas) Promotor de vendas Operador de perfuratriz Estampador de tecidos Marceneiro Garçom e choppeiro Entregador de jornal Auxiliar de escritório p/ Romelândia Auxiliar técnico de mecânica Feminino Auxiliar de design gráfico Costureira c/ experiência ( 3 vagas) Auxiliar de escritório Domestica – dia todo Serviços gerais( 2 vagas) Padeira c/ experiência Atendente de balcão Diarista 2 ou 3 x por semana Domestica – manha Confeiteira Baba – tarde Manicure – cabeleireira Cozinheira c/ experiência – noite Auxiliar de escritório p/ Romelândia *Fique atento, as vagas podem já estar preenchidas ou alteradas. SINE São Miguel do Oeste Endereço: Rua Sete de Setembro 2020 - centro Telefone: 49-3631 2956 ou 36221503 - (Leve seus documentos pessoais (carteira de trabalho, identidade e CPF). Das 12h30 às 18h30

    28/01/2013 Leia...

    -

  • Elevador fabricado pela DalCar é atração no Feirão do Extremo Oeste

    img

    São Miguel do Oeste Fundada em 2001 a empresa J.A. Indústria de Máquinas Ltda. - DALCAR - com sede em São Miguel do Oeste, SC, nas margens da SC 492, Km 71, saída para Bandeirante; desenvolve e fabrica em série mesas alinhadoras, sistema de medição, ferramentas específicas para o serviço de reparação automotiva e agora apresentam a tecnologia do transporte vertical, até então inexistente em São Miguel do Oeste e região. Os empreendedores Joacir Dal Vitt e Juarez Dal Vitt fabricam e garantem manutenção para elevadores a preços de mercado com tecnologia de ponta. Segundo Juarez os valores dependem do número de paradas do elevador. Joacir explicou que a instalação de elevadores em prédios residenciais está sendo concretizada de forma lenta e gradual em prédios projetados para receber o equipamento e em prédios antigos em processo de adequação. O empresário lembra que o transporte vertical é fundamental para satisfazer as exigências das normas de acessibilidade. Questionado sobre as dificuldades de desenvolver produtos e serviços com tecnologia de ponta em uma região distante dos grandes centros, Joacir disse que as dificuldade se apresentam em todos os empreendimentos, mas nós garantimos a assistência técnica de qualidade e o diferencial é a rapidez. Joacir Dal Vitt Sócio proprietário “Nos 22 anos de atividades da DALCAR apostamos na qualidade, com ações inovadoras e assim alavancamos a indústria”

    23/11/2012 Leia...

    -

  • Vagas de emprego no posto do SINE de SMOeste - 20/11/2012


    Masculino Carregador de caminhão Linha de produção Serviços gerais Arte finalista Instalador de internet Metalúrgico c/ experiência Moto boy Marceneiro e auxiliar de marceneiro Pedreiro-carpinteiro-armador e servente p/ Abdon Batista Lavador de carros Montador de moveis Auxiliar de execução Eletricista e ajudante de eletricista Caixa c/ experiência Motorista de ônibus c/ experiência Entregador de pneus Esteticista de animais domésticos Auxiliar de mecânico Entregador de bebidas Feminino Vendedora interna c/ experiência Acompanhante de idosa Cozinheira- auxiliar de cozinha Domestica p/ morar Arte finalista Recepcionista de hotel Auxiliar de lavanderia Manicure Faxineiro-dia todo Impressor gráfico Costureira Linha de produção Secretaria Repositora de mercadoria Ajudante de cabelereira Endereço: Rua Sete de Setembro 2020 - centro Telefone: 49-3631 2956 ou 36221503 - (Leve seus documentos pessoais (carteira de trabalho, identidade e CPF)

    23/11/2012 Leia...

    -

  • Plano de Desenvolvimento e Integração Fronteiriço de SC é Lançado


    Chapecó O Plano de Desenvolvimento e Integração Fronteiriço de Santa Catarina (PDIF/SC) foi lançado oficialmente nesta segunda-feira, 19, em Chapecó. O Plano e um mapa da fronteira foram entregues pelo secretário de Estado do Planejamento, Filipe Mello, ao secretário de Desenvolvimento Regional de São Miguel do Oeste, Volmir Giumbelli, e aos demais representantes das SDRs que compreendem o Núcleo Estadual de Integração da Faixa de Fronteira de Santa Catarina (NFSC). Na ocasião, também foram elencadas as prioridades para carteira de projetos de curto prazo do Plano Brasil Fronteira. De acordo com o secretário Filipe Mello, é a partir do Núcleo e PDIF/SC, que será possível o desenvolvimento da região Oeste de maneira acelerada nas diversas áreas, que compreendem os eixos: Saúde e Educação; Infraestrutura e Logística; Desenvolvimento Econômico; Desenvolvimento Sócio Ambiental; Segurança e Aduanas. “O PDIF é de grande relevância, pois retrata as prioridades e projetos estratégicos para o desenvolvimento da região situada na faixa de fronteira. Essa é a oportunidade de viabilizar sonhos projetados para o futuro dessas regiões”, completa. Também receberam o documento, representantes dos 82 municípios envolvidos, de entidades, e outros órgãos públicos que fazem parte do Núcleo. Os trabalhos para elaboração do PDIF/SC foram coordenados pelos profissionais da Secretaria de Estado de Planejamento (SPG) e do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina (Sebrae/SC). Em seguida, aconteceu uma reunião técnica destinada à priorização de oito ações estratégicas dentro da carteira de 40 propostas já selecionadas e inseridas no Plano de Desenvolvimento e Integração Fronteiriço, que serão encaminhadas ao Ministério da Integração Nacional. As prioridades catarinenses serão discutidas na II Reunião dos Núcleos Estaduais de Fronteira e IV Reunião da Comissão Permanente para o Desenvolvimento e Integração da Faixa de Fronteira, nos dias 11 e 12 de dezembro, em Tabatinga (Amazonas). Nessa ocasião será consolidada a carteira de projetos de curto prazo do Plano Brasil Fronteira, composta por 11 Estados. O coordenador regional do Sebrae, Enio Parmegianni, ressalta que o PDIF terá importância fundamental no fortalecimento da economia e da organização social dos municípios da fronteira de Santa Catarina com a Argentina. Prioridades: - Infraestrutura escolar aprimorada - Educação; - Consórcios de saúde pública implantados – Saúde; - Aeroporto de Chapecó Serafim Enoss Bertaso internacionalizado - Infraestrutura e Logística; - Malha rodoviária Federal qualificada - Controle e Segurança - Recursos financeiros para a segurança pública na faixa de fronteira assegurada - Controle e Segurança; - Recursos humanos nos órgãos de segurança pública assegurados – Desenvolvimento Econômico; - Turismo de bem estar e rural promovido – Desenvolvimento Econômico; - Mão de obra da Faixa de Fronteira qualificada e profissionalizada – Desenvolvimento Socioambiental. Sobre o Núcleo O Núcleo Estadual de Integração da Faixa de Fronteira de Santa Catarina (NFSC) foi instituído no dia 24 de julho, em Dionísio Cerqueira. Formado pelas 11 secretarias de Desenvolvimento Regional de São Miguel do Oeste, de Dionísio Cerqueira, de Itapiranga, de Palmitos, de Xanxerê, de São Lourenço do Oeste, de Chapecó, de Seara, de Quilombo, de Maravilha e de Concórdia, o NFSC abrange 82 municípios do Estado, incluídos nos 150 quilômetros considerados de fronteira. O objetivo é propor e coordenar iniciativas para desenvolver ações que possibilitem a adequada atuação do Governo do Estado na região. O Núcleo é previsto na Comissão Permanente para o Desenvolvimento e a Integração da Faixa de Fronteira (CDIF), instituída em setembro de 2010, por meio de Decreto da Presidência da República. Sua função engloba a interlocução entre os atores locais e o Governo Federal, a sistematização de demandas, análise de propostas de ações e a formulação dos Planos de Desenvolvimento e Integração Fronteiriços. O objetivo da comissão coordenada pelo Ministério da Integração Nacional é propor medidas e coordenar ações que visem o desenvolvimento de iniciativas necessárias à atuação do Governo Federal naquela região.

    23/11/2012 Leia...

    -

  • Pesquisas visam fortalecer a fruticultura na região Extremo Oeste

    img

    São Miguel do Oeste As parcerias desenvolvidas entre a Epagri Regional de São Miguel do Oeste e produtores rurais do Extremo Oeste tem se tornado sucesso. Diversas pesquisas vêm sendo realizadas em propriedades da região onde são testadas as espécies de uva, pêssego, pêra, ameixa, maça, nectarina, kiwi, citrus, oliveira, figo, goiaba, bananeira e
 frutas tropicais nativas. “O trabalho é realizado com o objetivo de comprovar que a região é adequada para muitas variedades de frutas”, afirma o chefe do Centro de Treinamento da Epagri de São Miguel do Oeste (Cetresmo), engenheiro agrônomo, Loenir José Loro. Cerca de 20 propriedades estão com estudos iniciados. “Nosso solo é ade-
quado para muitas espécies. As condições climáticas é o que precisa ser testado nas áreas”, explica. Segundo ele, a umidade, a insolação, o frio, o calor e a chuva interferem muito na fruticultura. “Como a produção é um investimento a longo prazo, é preciso que o agricultor tenha certeza que o cultivo é adequado para o clima. É isso que também objetivamos com as pesquisas, dar esta certeza aos produtores”, assegura. O chefe do Cetresmo e coordenador das pesquisas, garante ainda, que depois das hortaliças, a fruticultura é a produção que mais gera lucro por área. “A terra é bem ocupada com as plantações, podendo ser utilizadas as áreas marginais para lavoura. Além disso, a atividade fixa o produtor na propriedade já que são anos de dedicação, até que a planta cresça e de frutos e lucro”, observa. Fortalecendo a fruticultura A experiência com a fruticultura trouxe o interesse da família Zilli e da Epagri Regional. Outras variedades também estão sendo testadas na propriedade de 12 mil hectares. Por meio do Programa SC Rural, foi instalada uma Unidade de Referência Tecnológica para fazer a avaliação do cultivar de uva da região. Outras áreas são ocupadas para a plantação de espécies de pêra, ameixa, maça, nectarina e kiwi, que estão sendo estudadas em parceria com a Epagri e Embrapa. A propriedade foi visitada na última quinta-feira, 08, pelo secretário de Desenvolvimento Regional de São Miguel do Oeste, Volmir Giumbelli, juntamente com o gerente de Desenvolvimento Econômico e da Agricultura, Renato Romancini. Eles acompanharam os trabalhos que estão sendo realizados nas mais variadas espécies. Para o secretário Giumbelli, as experiências são importantes para fortalecer a fruticultura na região. “Se temos solo apropriado para o cultivo, precisamos aprender a explorá-lo da melhor forma, com frutas
 que são potenciais da nossa região”. A parceria do Governo do Estado, por meio da Epagri, para ele, é fundamental no processo de desenvolvimento da fruticultura. “É preciso dar esta segurança ao produtor e a melhor de forma de fazer isso é com o conhecimento dos técnicos da Epagri”, finaliza o secretário Giumbelli., Exemplo de sucesso O pêssego Zilli, genuinamente catarinense, que surgiu de uma mutação genética da cultiva do pêssego chimarrita é um exemplo de pesquisa que deu certo. A história iniciou há 12 anos, quando o produtor, Agenor Zilli, da Linha Pratinha, interior de Descanso percebeu que em um dos pés de pêssego havia um ramo diferente com uma fruta amarela e com um filete branco. Com a atenção do agricultor e o apoio da Epagri, iniciou-se o processo de produção da nova espécie. Hoje, a fruta já registrada no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, gera lucro para a família Zilli que conta com cerca de 1.300 pés do pêssego, sendo que 800 estão em produção. A safra de 2012 foi a primeira após o registro da espécie. O produtor Agenor Zilli, lembra que foram 12 anos de trabalho e que para registrar foi preciso sete anos de acompanhamento de técnicos da Epagri e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). “O começo foi difícil. Fazem apenas três anos que começamos a revender o pêssego, mas hoje estamos contentes com as vendas e a repercussão da nova espécie”, afirma Zilli.

    14/11/2012 Leia...

    -

  • Bônus da Celesc movimenta a Loja Colombo no calçadão

    img

    O projeto está sendo um sucesso. A avaliação é de Silvana M. Dal Bosco, Gerente

    São Miguel do Oeste A rede de lojas Colombo S.A. foi a vencedora da licitação para comercialização de eletrodomésticos (geladeiras, freezers e condicionadores de ar) pelo programa Bônus Eficiente, da Celesc com 50% de desconto. As vendas tiveram início no dia 31 de outubro nas 45 lojas da rede Colombo no Estado e pelo televendas. Na loja de São Miguel do Oeste os clientes fizeram filas nos primeiros dias do Programa. Nesta segunda-feira (5), cerca de 50 pessoas chegaram cedo para fazer a troca do produto usado pelo novo. O movimento continua intenso, mas segundo a gerente da loja, Silvana Maria Dal Bosco, a tendência é que o movimento diminua na próxima semana. Silvana também alerta aos possuidores de faturas rurais que os mesmos não se enquadram no programa de trocar o eletrodoméstico. Para adquirir um equipamento novo, é preciso entregar um usado do mesmo tipo (geladeira por geladeira, por exemplo) com mais de cinco anos de uso e que não tenha o selo de eficiência energética. A rede de varejo ficará responsável pela entrega dos eletros novos e recolhimento dos antigos. Também é responsabilidade da rede vencedora contratar empresa especializada para o descarte dos equipamentos de acordo com as regras da Lei de Resíduos Sólidos (ABNT/NBR 15.833). “O Bônus Eficiente é uma iniciativa ousada, que tem como finalidade o uso eficiente da energia. Outros dois requisitos são necessários para que o consumidor tenha acesso ao bônus. No ato da compra, ele deverá fazer, na própria loja, uma doação à Federação das Apaes (de R$50,00 para eletros acima de R$ 1 mil e de R$30,00 para os de valor inferior). A estimativa é de recolher cerca de R$ 1 milhão para as Apaes em todo o Estado. Além disso, o consumidor terá que entregar cinco lâmpadas incandescentes em troca de cinco fluorescentes, sem custo. As vendas serão efetuadas por ordem de chegada dos clientes enquadrados nos critérios. No total, serão vendidos 35 mil eletrodomésticos dentro do Programa (13 mil condicionadores de ar e 22 mil refrigeradores, incluindo freezers). O valor total do projeto é de R$ 39 milhões, sendo que R$ 20,7 milhões serão investidos pela Celesc e R$ 17 milhões pelos clientes. A Celesc vai monitorar online o andamento das vendas, válidas para todos os municípios da área de concessão da Empresa. Mais informações sobre o Bônus Eficiente estão disponíveis no portal www.celesc.com.br

    07/11/2012 Leia...

    -

  • Vagas de emprego do SINE – 2 de Outubro 2012


    Masculino Garçom c/ experiência Motorista de ônibus c/ experiência Instalador de internet Motorista de caminhão c/ experiência Serviços gerais Caseiro Encanador c/ experiência Auxiliar de lavanderia Marceneiro c/ experiência Linha de produção Vendedor de serviços de imóveis Auxiliar de execução Eletricista – auxiliar de eletricista Montador de moveis Carpinteiro/armador p/ Lages Operador de retro de pneu Vendedor interno Repositor Feminino Faxineira – dia todo Domestica – dia todo Manicure Domestica p/ tarde Costureira Diarista Linha de produção Vendedora interna Atendente de farmácia c/ experiência Acompanhante de idosa Confeiteira Esteticista de animais domésticos *Fique atento, as vagas podem já estar preenchidas ou alteradas. SINE São Miguel do Oeste Endereço: Rua Sete de Setembro 2020 - centro Telefone: 49-3631 2956 ou 36221503 - (Leve seus documentos pessoais (carteira de trabalho, identidade e CPF)

    03/10/2012 Leia...

    -

  • Vagas de emprego do SINE – Setembro/2012


    Masculino Serviços gerais Repositor de mercadoria Auxiliar de execução Encanador c/ experiência Servente de obras Vendedor interno Motorista de ônibus rodoviário c/ experiência Vendedor de serviços de imóveis Auxiliar de lavanderia Operador de retro de pneu Borracheiro Trabalhador rural Carpinteiro e armador p/ Lages Eletricista/auxiliar de eletricista Montador de moveis c/ experiência Marceneiro Auxiliar de escritório c/ experiência em AutoCad Linha de produção Feminino Costureira c/ experiência Serviços gerais Baba-noite Administrador de recursos humanos Pizzaiola c/ experiência Vendedora interna Auxiliar de cozinha Auxiliar de escritório c/ experiência em AutoCad Endereço: Rua Sete de Setembro 2020 - centro Telefone: 49-3622 0672 ou 36221503 - (Leve seus documentos pessoais (carteira de trabalho, identidade e CPF)

    17/09/2012 Leia...

    -

  • Projeto de duplicação da BR 163

    img

    Ideli Salvatti participa do lançamento de editais de licitação das obras

    São Miguel do Oeste Foram lançados, na sexta-feira (31), os editais de licitação das obras de duplicação da BR-163 e dos serviços de restauração de pista e acostamento de outros cinco lotes que contemplam oito rodovias federais em Santa Catarina (BR-282, BR-280, BR-470, BR-153, BR-470, BR-158, BR-163). A ministra-chefe de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, destaca a importância das obras para a região. “No total, são mais de 1,3 mil quilômetros de estradas que receberão as melhorias, com investimentos estimados de R$ 886 milhões”, diz. A duplicação da BR-163, no trecho de 62 quilômetros compreendido entre São Miguel do Oeste e Dionísio Cerqueira, atenderá também as cidades de Guarujá do Sul, Guaraciaba e São José do Cedro. “Além de promover maior segurança aos usuários e melhorar a fluidez melhor ao tráfego, a obra beneficiará economicamente toda a região. Dionísio Cerqueira conta com o único porto seco catarinense com saída para os vizinhos do Mercosul, com vantagens significativas na passagem de cargas”, diz Ideli. O outro edital de licitação que foi lançado irá privilegiar a restauração e reestruturação de mais de 1,2 mil quilômetros de rodovias de cinco lotes (total de oito rodovias, em nove trechos). As estradas contempladas cortam 127 municípios de várias regiões do Estado, como a Norte, a Oeste, a do Vale do Itajaí e a de Lages. O valor estimado do empreendimento é de R$ 692 milhões. Além da intervenção no pavimento, serão construídas 33 rotatórias, 33 quilômetros de terceiras faixas e de ruas laterais. Essas obras são as primeiras licitadas por Regime Diferenciado de Contratações Públicas (RDC) pelo DNIT, em Santa Catarina. O RDC tem como objetivo ampliar a eficiência nas contratações e a competitividade entre os licitantes, promover a troca de experiências e tecnologias em busca da melhor relação entre custos e benefícios, incentivar a inovação tecnológica, assegurar tratamento isonômico entre os licitantes e a seleção da proposta mais vantajosa para a administração pública. Detalhamento das obras Duplicação da BR-163 – São Miguel do Oeste-Dionísio Cerqueira Extensão: 62 quilômetros Valor estimado: R$ 194,2 milhões Restauração e reestruturação de pista e acostamento CREMA Etapa 2 Extensão: 1.275 quilômetros Valor estimado: R$ 692 milhões Descrição dos lotes a serem licitados: Lote 1 (BR-282): 214,5 quilômetros, R$ 116,3 milhões Lote 2 (BR-280): 155,1 quilômetros, R$ 100 milhões Lote 3 (BR-470): 305,4 quilômetros, R$ 149,7 milhões Lote 4 (BR-153, BR-282, BR-470): 297 quilômetros, R$ 167,5 milhões Lote 5 (BR-282, BR-158, BR-163): 303,5 quilômetros, R$ 158,7 milhões

    05/09/2012 Leia...

    -

  • Vagas de emprego do SINE – Agosto/2012


    Masculino Operador de retro de pneu Mecânico de equipamento pesado Estofador c/ experiência Entregador de agua Torneiro mecânico Auxiliar de lavanderia Borracheiro Serviços gerais Auxiliar de mecânico Técnico agrícola Pintor Auxiliar de escritório c/ experiência Soldador Montador industrial Montador de moveis c/ experiência Linha de produção Caixa c/ experiência Repositor de mercadoria Supervisor de leite p/ SJCedro Serralheiro c/ experiência Motorista de ônibus rodoviário c/ experiência Garçom e passador de pizza Tutor Eletricista Vendedor externo Pizzaiolo c/ experiência Ajudante de eletricista Feminino Domestica meio período Domestica dia todo Cozinheira c/ experiência Tutora Garçonete e passadora de pizza Vendedora externa Manicure/cabelereira Diarista Auxiliar de escritório c/ experiência Pizzaiola c/ experiência Supervisora de leite p/ SJCedro Endereço: Rua Sete de Setembro 2020 - centro Telefone: 49-36220672 ou 36221503 - (Leve seus documentos pessoais (carteira de trabalho, identidade e CPF)

    15/08/2012 Leia...

    -

  • Palestras-almoço com os profissionais da contabilidade

    img

    São Miguel do Oeste Recomeçou nesta segunda-feira (23), o ciclo de palestras-almoço com os profissionais da contabilidade promovido pela Federação do Comércio de Santa Catarina (Fecomércio), em parceria com o Conselho Regional de Contabilidade (CRCSC). A programação começou às 11 horas, com uma palestra do presidente do CRCSC, Adilson Cordeiro, sobre SPED - Cruzamento de Informações e a Fiscalização Eletrônica, dirigida a profissionais contábeis e seus clientes. Cordeiro explicou que a tendência é construir uma contabilidade homogenia. Mesmo com uma legislação complexa e que muda todo dia, o palestrante acredita que as contabilidades convergem para a homogeneidade do mundo globalizado. “A contabilidade praticada no Brasil será a mesma que é praticada nos EUA, Europa e Ásia” Exemplifica. Em seguida, os presidentes da Fecomércio, Bruno Breithaupt, e do CRCSC se disponibilizaram para debater temas de interesse tanto da classe contábil como empresarial do comércio. Segundo Bruno, a iniciativa de realizar um ciclo de almoços com a classe contábil catarinense começou em maio, já tendo sido realizado em Blumenau e Florianópolis. Bruno Breithaupt Presidente da Fecomércio “A intenção é ampliar a atuação conjunta da Fecomércio e do CRCSC nas diversas regiões do Estado, debatendo assuntos e, também, soluções que possam criar um clima mais propicio a quem produz”.

    25/07/2012 Leia...

    -

  • Laticínios Paraíso comemora ampliação da indústria

    img

    Paraíso A indústria de laticínios Paraiso comemorou na semana passada, a sua nova unidade de processamento de leite. No sábado (23), a direção da empresa promoveu grande festa com funcionários e convidados. Também realizaram uma carreata pelas principais ruas da cidade em comemoração a modernização e ampliação da empresa. Em entrevista ao jornal Imagem, o gerente de produção, Sr Lair Magnaguagno, disse que os novos investimentos na empresa irão gerar mais trinta empregos diretos além dos 64 atuais. Disse ainda, que a produção dos derivados do leite irá aumentar, entre eles os queijos mozzarella, provolone e prato, dos quais apenas 5% são para o mercado regional e o restante será comercializado nos grandes centros como São Paulo, que é o principal consumidor. Equipamentos e melhorias A empresa investiu no pátio interno onde implantou portões eletrônicos e calçamento. Na parte interna, foi instalado um laboratório para a análise dos produtos e matéria prima. Além de depósitos de estocagem e modernas máquinas de processamento. Descaso Um dos problemas verificados junto à unidade industrial é o acesso. A estrada de chão batido traz lama e pó para o pátio, exigindo grande esforço dos funcionários para atender as exigências de limpeza das autoridades sanitárias. Para a solução do problema a direção da empresa pretende contatar autoridades locais e regionais. O gerente acredita que o problema será resolvido em breve, considerando que a indústria está instalada a menos de mil metros da BR 282. Por último, a direção da empresa agradece a todos que, de uma forma ou outra, contribuíram para o engrandecimento do Laticínios Paraiso. Lair Magnaguagno Gerente de produção “A nova indústria é uma conquista de toda a comunidade”

    28/06/2012 Leia...

    -

  • Vagas de emprego do SINE – Junho/2012


    MASCULINO Serviços gerais Soldador Servente de obras Mecânico industrial c/ experiência Estofador Consertador de pneus Auxiliar de produção Caseiro Projetista/desenhista c/ experiência Torneiro mecânico c/ experiência Mecânico de equipamento pesado c/ experiência Vendedor externo Torneiro mecânico c/ experiência Auxiliar de eletricista FEMININO Domestica meio período Domestica dia todo Costureira c/ experiência Cabelereira Acompanhante de idoso Pizzaiola c/ experiência Auxiliar administrativo Cabelereira e massagista Supervisora de vendas c/ experiência Baba Cozinheira c/ experiência Repositora c/ experiência Manicure Diarista Interessados em preencher as vagas, passar no SINE com seus documentos pessoais (carteira de trabalho, identidade e CPF) das 13:00 às 19:00 horas. Endereço: Rua Sete De Setembro 2020 Centro São Miguel Do Oeste – SC Telefone p/ contato: 49-36220672 ou 36221503

    14/06/2012 Leia...

    -

  • Cesta básica 1% mais cara

    img

    São Miguel do Oeste O valor quase nem pode ser notado no bolso do consumidor, mas a cesta básica, em São Miguel do Oeste, registrou alta de 1% no mês de maio. Segundo a pesquisa realizada pelo Departamento de Jornalismo da Rede Peperi, nos principais supermercados de São Miguel do Oeste, a batata e tomate tiveram baixa nos preço, mas o mês de maio registrou alta. O índice chegou a apenas 1% de elevação, tendo com principal responsável, a carne, com aumento de 8,4%, seguida pelo leite, com aumento de 5,4%, do açúcar, com 4,3%, da banana, com 3%, da farinha, com 2,9% acima do valor no mês passado. O feijão e o arroz, considerados indispensáveis à mesa do brasileiro, registraram 0,8% e 0,4% de aumento. Por fim, a manteiga teve variação de 0,5%. Já o custo do quilo da batata caiu 19% e do tomate 6,8%. A queda dos preços foi seguida pelo óleo, com 4,4% abaixo do mês de abril, do pão, com 2,5% de queda, mas que deve sofrer aumentos neste mês, e do café, com baixa de 1,7%. Dessa forma, o custo da cesta básica fechou 1% acima do mês passado, com os 13 produtos custando R$ 171,07. Tendência Com o aumento da carne e alta do dólar, que impactou diretamente no preço do trigo argentino para os moinhos brasileiros, forçando o repasse para o consumidor em produtos como pães, massas e biscoitos, o aumento deste mês deve ser de pelo menos 5%.

    14/06/2012 Leia...

    -

  • Atividade ainda se mantém como subsistência

    img

    São Miguel do Oeste No dia do apicultor, comemorado ontem, vamos mostrar um pouco mais da atividade apícula da região Extremo-oeste. Os dados não são nada animadores, mas a “doce paixão” dos produtores conseguem mantê-la viva. É uma atividade que requer dedicação e inúmeros cuidados, mas é carente de investimentos e políticas públicas de produção. A falta de investimentos no setor, aliada à influência de atravessadores do mercado, fazem com que a atividade apícula, principalmente para produção de mel, seja tímida na região do Extremo-oeste do Estado. Segundo o técnico agrícola da Epagri, Vilmar Milani, considerado como profissional de referência no setor, mais de 95% da atividade é tida como de subsistência, onde o produtor rural utiliza um pequeno espaço da propriedade para instalação de pequenos apiários, de onde extrai o mel para o consumo da família e comercializa o excedente. São raros os casos em que a apicultura seja o carro chefe de uma propriedade. Isso de dá por inúmeros fatores, como preços baixos, atravessadores do mercado, legislação rigorosa e falta de incentivos. Aqueles que mantem algumas colmeias, o fazem por hobby. O mercado A produção em pequena escala força os apicultores da região a formar pequenas associações. É através delas que eles buscam informações e inovações, tentam abrir mercado e conseguem comprar insumos em maior quantidade e com menor preço. Entretanto, apesar do esforço, explica Milani, a legislação para a comercialização é tão ou mais rígida que a aplicada em outros setores alimentícios. Milano explica que, no caso do mel, o produto deve ser extraído em uma unidade separada, depois encaminhada a um entreposto para fiscalização e embalagem. Entretanto, a implantação de tal entreposto é onerosa e as pequenas associações não tem condições de bancar os investimentos. Para se ter uma ideia dos custos, no Oeste e Extremo-oeste do Estado existem apenas dois deles: uma em São João do Oeste e outra em Concórdia Devido a isso, Milani revela que os produtores acabam guardando a produção excedente a cada ano, devido às dificuldades na comercialização. Existem dois fatores que os fazem tomar tal medida: o preço baixo e a dificuldade citada anteriormente, em relação à legislação. Entretanto, o prejuízo maior está relacionado aos atravessadores. Com a produção estocada, os apicultores se veem obrigados a vendê-la e, neste momento, acabam caindo nas “garras” do mercado paralelo. O preço por quilo, muitas vezes não alcança os R$ 5. Apoio técnico Para melhorar e tentar organizar e estruturar a atividade na região, que está estagnada há mais de dez anos, o Centro de Treinamentos da Epagri de São Miguel do Oeste (Cetresmo), mantém um apiário modelo, onde testa novas técnicas, faz treinamentos com apicultores e reproduz algumas espécies com maior potencialidade produtiva e de resistência ao clima e condições da região. Dia-a-dia Milani explica ainda, que a manutenção de um apiário exige visitas frequentes do apicultor para execução de tarefas como remoção de mato perto das colmeias, revisão das caixas e colheita do mel. Durante a revisão há a necessidade de verificar se há excedente de mel para colheita, se a rainha está fértil para produzir novas crias, se não há formigas e traças, se existe cera em quantidade suficiente. O técnico lembra que uma vez por mês os favos devem ser levantados para verificar estes itens. O serviço é trabalhoso e exige pelo menos duas pessoas para o manejo. Por fim, Milani lembra que, além do mel, são colhidos própolis, geleia real, pólen e cera.
 Além disso, as abelhas são importantes operárias da natureza, agindo como eficientes polinizadoras.

    23/05/2012 Leia...

    -

  • Discussão iniciou pelo Extremo-oeste

    img

    São Miguel do Oeste A Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) iniciou, na quarta-feira (2), em São Miguel do Oeste, a discussão do Orçamento Regionalizado do Estado. Deputados estaduais se reuniram com lideranças e moradores dos municípios de São Miguel do Oeste, Bandeirante, Barra Bonita, Belmonte, Descanso, Guaraciaba e Paraíso para a abertura do ciclo de debates, que passará pelas 36 Secretarias Regionais. O encontro foi no auditório da Unoesc São Miguel e apontou como prioridades da Regional de São Miguel do Oeste, o aeroporto Hélio Wassun – com investimentos na infraestrutura e terminal de passageiros, com o intuito de instalara uma linha aérea regular à Capital estadual; Unidade Prisional Avançada (UPA), que deve atender todo o Extremo-oeste, e já foi apontada em outros anos como prioridade. A UPA chegou a ter um terreno, apontado pelo município, mas depois de uma vistoria de técnicos da Secretaria de Segurança e algumas manifestações de moradores próximos, foi rejeitado. A SDR busca agora novo local para a instalação da unidade, que deve abrigar mais de 170 detentos masculinos e femininos; e por fim, o Hospital Regional do Extremo-oeste, buscando ampliação da unidade, implantação de novas especialidades, bem como a policlínica. Ainda A audiência também prestou contas dos encaminhamentos feitos nos encontros de 2011. Segundo Sérgio Ambrósio, da Coordenadoria do Orçamento Regionalizado da Assembleia, cada uma das três SDRs elegeu 12 prioridades para o Plano Plurianual, sendo que três de Itapiranga e Dionísio Cerqueira e quatro de São Miguel do Oeste já constam no Orçamento Estadual deste ano. Pelo menos uma – reforma e ampliação de escolas em Itapiranga – está em andamento. Essas informações podem ser consultadas no site www.alesc.sc.gov.br. Segundo Guilherme Kraus dos Santos, da Secretaria de Estado da Fazenda, como a maioria das prioridades se refere a obras de infraestrutura, praticamente nenhuma ainda teve sua execução iniciada. “Infraestrutura exige tempo de maturação, com trâmites demorados. Se não estiver em execução não indica que não será iniciada até o fim do ano. Por isso, deve-se priorizar para 2013 obra que eventualmente não tenha sido executada ou iniciada para reafirmar a sua necessidade”, considerou. Prioridades elencadas para a LOA 2013: SDR de São Miguel do Oeste Ampliação do aeroporto de São Miguel do Oeste; Ampliação do Hospital Regional; Construção de Unidade Prisional. SDR de Dionísio Cerqueira: Estruturação dos hospitais para atendimento de alta e média complexidade; Estadualização para manutenção dos trechos São José dos Cedros/Palma Sola/Princesa/Dionísio Cerqueira; Construção do Cedup/SDR – Dionísio Cerqueira. SDR de Itapiranga: Instalação de três equipamentos de vigilância eletrônica nos centros urbanos; Pavimentação do trecho Iporã do Oeste ligando a SC-389 à Linha Esperança; Melhoria e ampliação das redes de água e esgoto.

    09/05/2012 Leia...

    -

  • Cooperoeste / Terra Viva realiza assembleia ordinária 2012

    img

    Celestino Persch é o novo presidente. Conselho Diretor da cooperativa também teve mudanças

    São Miguel do Oeste Aconteceu na Associação dos funcionários da Cooperoeste Terra Viva (AAFUC) a assembleia ordinária 2012 da Cooperativa Regional de Comercialização do Extremo Oeste (Cooperoeste). Foram apresentados e aprovados os números do exercício de 2011 e os projetos para este ano. A condução dos trabalhos na Mesa de Honra foi feita pelo então presidente, Euclides Rodrigues. Neste ano, conforme prevê o estatuto da cooperativa, ocorreu à renovação do Conselho Diretor (isso acontece a cada três anos) que a partir de 1° de abril ficou assim constituído: -Presidente: Celestino Roque Persch. -Vice-presidente: Euclides dos Santos Rodrigues. -Tesoureiro: Aldo Antônio Postal. -Vice-tesoureiro: Jucelino da Silva. -Secretário: Avelino Benetti. Adelar Bavaresco que respondia pela vice-presidência e Sebastião Vilanova que era o secretário foram substituídos. Os dois foram homenageados pelos relevantes prestados à Cooperoeste. A coordenadora de vendas e uma das mais antigas funcionárias da cooperativa, Cristiane Weber, leu uma mensagem emocionante para ambos. Os novos integrantes do Conselho Diretor são Jucelino da Silva e Avelino Benetti. A nova direção fica no cargo até 31 de março de 2015. O Conselho Fiscal também, conforme prevê o estatuto, teve modificações. A partir de agora seus integrantes são Celestino Draszevski, João Antônio Mallmann, Inês Heid, Valdecir Glass e Vitório Monego. Em seu discurso, o novo presidente da Cooperoeste, que já exerceu a função, disse que o cargo é uma grande responsabilidade e isso se estende a todos os membros do Conselho Diretor. Celestino Persch destacou que o método de trabalho seguirá o mesmo. “As decisões serão coletivas”, enfatizou. Persch lembrou que, em apenas um mandato, desde que a Cooperoeste surgiu, não fez parte do Conselho Diretor. “Isso, de certa forma, nos dá experiência”, analisou. Comentou, ainda, que o atual momento é delicado devido à estiagem. “Além dos associados que sofrem com a seca, está faltando água para a indústria que consome 400 mil litros/dia. Há 60 dias estamos puxando água com caminhões. Em alguns casos a distância chega a 15 quilômetros”, explanou, acrescentando, ainda a forte concorrência no setor. Conforme Persch, um dos principais desafios da nova direção é o lançamento de seis produtos neste ano, além de aumentar o número de associados. Aprovação Para o associado da Cooperoeste/Terra Viva, Evaldo Kuhn, do Assentamento Itatiba, em Campo Erê, a assembleia foi bem explicativa. Ele elogiou todos os sócios que participaram. “São pessoas que querem colaborar com a cooperativa”, avaliou. Também parabenizou a ex-direção que, em sua avaliação, enfrentou inúmeros obstáculos, mas conseguiu superá-los com luta, honestidade e criatividade, fortalecendo ainda mais a Cooperoeste. Ele aposta que o novo Conselho Diretor fará um bom trabalho. Já Leonir Rodrigues, do Assentamento Conquista da Fronteira, disse que o encontro foi positivo. “Veio ao encontro dos anseios dos associados”, entende, enaltecendo a forma transparente que as assembleias são realizadas. “Foram esclarecidas todas as dúvidas dos associados, ainda nas pré-assembleias”, destaca. Na avaliação de Rodrigues, todos os sócios ou, pelo menos, a grande maioria ficaram satisfeitos. Ele é associado há 13 anos e afirma que a Cooperoeste, além de ser na nossa terra, proporciona muitos benefícios aos que comercializam com ela o que não acontece com outras empresas. Para Rodrigues, o produtor de leite tem que ter cuidado e não ‘avaliar o momento’. “O ganho de hoje pode se transformar em prejuízo amanhã”, alerta, referindo-se ao suposto monopólio do leite que se desenha na região. “Várias empresas já nasceram no sistema capitalista e o objetivo, talvez não agora, é explorar o produtor. Já a Cooperoeste, ao contrário, sempre trabalhou tendo como objetivo a justiça social”, enfatizou. Diretores O novo vice-tesoureiro, Jucelino José da Silva, que mora no Assentamento 25 de Maio, em Barra Bonita, disse que para ele a nova função é um desafio. “No entanto terei o suporte dos outros membros do Conselho Diretor que são experientes”, frisou. Ele já fez parte do Conselho Fiscal. Na visão de Jucelino, o maior problema do setor atualmente é a concorrência. “Isso fez com que o preço pago ao produtor aumentasse em torno de 20%. Em alguns casos até mais. Só que o valor de venda da indústria para o mercado subiu em torno de 12%”, relatou. “Estamos disposto a trabalhar firmemente para que consigamos atingir as metas estabelecidas”. O outro novo integrante do Conselho Diretor, Avelino Benetti, do Assentamento Rosário, em Romelândia, que assumiu o cargo de secretário, lembrou das inúmeras lutas dos movimentos sociais, em especial o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) que conquistou seu espaço e um dos maiores exemplos é a Cooperoeste/Terra Viva. Para ele, o segredo do crescimento em qualquer segmento é o coletivo. Benetti também fez parte do Conselho Fiscal. “Darei tudo de mim para que a Cooperoeste cresça ainda mais. Tenho certeza que apesar das atuais adversidades sairemos vencedores, sempre trabalhando com honestidade que é a nossa marca”, concluiu. Adelar Bavaresco Ex-vice-presidente “Participei do Conselho Diretor da Cooperoeste/Terra Viva por 12 anos consecutivos. Na última gestão meu cargo foi o de vice-presidente. Foram 12 bons anos. Sofremos, mas aprendemos muito. Conseguimos manter o equilíbrio. Muitos colegas nos ajudaram nessa jornada. Nesse tempo aprendi os mecanismos de uma cooperativa. A questão do leite não é tão simples. O aprendizado que adquiri aqui é para toda a minha vida. Volto para a Associação 25 de Maio, de onde já fiz parte da direção, como presidente. No trabalho que aqui exerci tive que, como dizem popularmente, ‘matar um leão por dia’. Sempre aconteciam fatos novos. Um que destacaria é concorrência no mercado do leite. É até engraçado, pois eu não entendia, porém aprendi com o tempo e com o auxílio de companheiros. Muitos pensam que o trabalho dos integrantes do Conselho Diretor é fácil. É chegar de manhã e voltar para casa no final da tarde. Mas não é nada disso. A responsabilidade é grande. Muitos não imaginam o quanto. Minha mensagem aos associados é que continuem trabalhando e investindo para o crescimento da cooperativa, afinal eles são os donos dela. Para a nova direção, desejo muito sucesso, pois é um novo desafio. E são desafios diários porque atualmente o setor leiteiro está muito conturbado. A competição está grande. Várias empresas estão se unindo. Com isso a cadeia leiteira está ficando cada vez mais nas mãos de poucos. Também desejo sucesso aos ex-colegas. Conheci várias pessoas e fiz muitas amizades aqui. Gosto de todos. Sentirei saudades”. Sebastião Vilanova Ex-secretário “Fiquei por aqui três anos como secretário da direção. Na gestão anterior exerci a função de tesoureiro. Nestes seis anos aprendi muito dentro da organização. E quando a gente fala em organização não é só Cooperoeste, mas, sim, todos os movimentos sociais. A Cooperoeste existe porque há um movimento por trás que segura às estruturas. Por isso, reitero, adquiri muito conhecimento. Foi uma coisa bastante diferente. É que quando se está num movimento social a gente discute mais politicamente. Já numa empresa é necessário debater política e economia. Elas têm de andar juntas. Isso faz com que os desafios sejam grandes. Foi muito bom fazer parte das duas últimas gestões. Os dois companheiros novos enfrentarão dificuldades, mas tenho certeza que darão ‘conta do negociar o valor do leite com o produtor e com as empresas. Várias vezes fomos chamados para as reuniões para definir o valor a nível de Estado. Nunca tinha pensado que um dia participaria de reuniões tão importantes para debater a viabilidade econômica da produção de leite. Sempre estarei à disposição da Cooperoeste/Terra Viva como associado ou como coordenador regional e membro da direção do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). A partir de agora lutaremos incansavelmente pela ampliação da reforma agrária e outras questões”. Fonte: Roger Brunetto

    19/04/2012 Leia...

    -

  • Revolução no empreendedorismo catarinense


    São Miguel do Oeste Um programa considerado inédito que promete revolucionar o empreendedorismo catarinense foi apresentado, na semana pasada, para mais de 250 pessoas entre empresários, autoridades e imprensa do oeste catarinense. O evento também marcou a assinatura de acordos para o início das ações de acompanhamento e fortalecimento empresarial que fazem parte do projeto de polos industriais na região. Assinaram convênio representantes do polo agroindustrial, cadeia do plástico e borracha, confecções, móveis e madeira, software e TI, metal mecânico e aço inox e polos multissetoriais em áreas de baixo desenvolvimento econômico. O Programa foi apresentado pelo diretor superintendente do Sebrae/SC, Carlos Guilherme Zigelli, e pelo secretário de Estado e Desenvolvimento Econômico Sustentável, Paulo Bornhausen. Os investimentos da Nova Economia totalizam R$ 70 milhões - R$ 50 milhões do Governo do Estado e R$ 20 milhões do Sebrae/SC. O programa é formado por cinco projetos: juro zero – com empréstimos sem juros e acompanhamento especializado para microempreendedores individuais, polos industriais – para o fortalecimento das micro e pequenas empresas em polos setoriais, polos de economia verde – para o uso de resíduos industriais na criação de novas empresas, desenvolvimento territorial – para estímulo ao surgimento de empreendimentos sustentáveis em áreas de menor desenvolvimento humano, e ilumina – para levar internet banda larga a comunidades com menor desenvolvimento humano. O diretor superintendente do Sebrae/SC, Carlos Guilherme Zigelli, salientou que através da iniciativa será possível fortalecer ainda mais o empreendedorismo catarinense que já é considerado destaque no país. “Os setores da indústria nunca tiveram investimentos tão expressivos. Somente no projeto de Polos Industriais, nossa missão é fortalecer as MPEs em mais de 40 polos setoriais definidos. A previsão é atender ao menos 2.400 empreendimentos”, reforçou. O secretário de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Paulo Bornhausen, assinalou que o projeto revolucionará a economia do Estado através das cinco propostas que darão alicerce ao programa. “Os planos nacionais não acompanham nosso desenvolvimento”, afirmou ao exemplificar que um dos maiores programas sociais do país atinge apenas 1% dos catarinenses. “Portanto, precisamos desenvolver ações regionais que atendam a necessidade e elevem nossa economia”. Sobre o Juro Zero, enfatizou que os resultados até o momento são significativos. O número de operações em março confirmou o sucesso do investimento nas microempresas individuais. “Após cinco meses, o índice de inadimplência é mínimo, de 0,86%. O programa atingiu R$ 7.065.304.08 em março, totalizando 2.568 microempreendedores inscritos”.

    19/04/2012 Leia...

    -

  • Pior resultado em três anos


    O maior município da região fechou o mês atrás de outros três, de menor porte

    São Miguel do Oeste O Ministério do Trabalho divulgou, nesta semana, os dados referentes ao emprego no Brasil. Em janeiro, o saldo foi 118.895 em todo o território nacional. Santa Catarina aparece em terceiro, com saldo de 16.401, sendo 110.820 admissões, contra 94.419 demissões. O estado catarinense ficou atrás apenas de Minas Gerais, com saldo de 16.542, e São Paulo, com 28.327. O bom saldo catarinense não traduz, porém, a realidade de alguns município, principalmente na região Extremo-oeste do Estado, onde cidades como São Miguel do Oeste, considerada polo regional, tem um saldo de apenas 21 novas vagas, a maioria delas na construção civil, com saldo de 44 vagas, seguida da indústria de transformação, com 40, e 26 na prestação de serviços. Entretanto, o comércio demitiu mais que contratou, fechado com um saldo negativo de 58 vagas, assim como a administração pública, com déficit de 25 postos. O saldo do município, no mês de janeiro de 2012 ficou em apenas 21 novas vagas, número bem aquém das 258 vagas do ano passado, reflexo da abertura do Hospital Regional do Extremo-oeste e do aumento de contratações na construção civil. Muitos atrelam a queda às migrações de empresas para outros municípios, bem como a falta de mão de obra especializada. Em 2010, o saldo foi de 43 vagas, em 2011, subiu para 258, e neste ano, apenas 21. A reportagem procurou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Carlos Grassi, mas foi informada, pela assessoria de imprensa, que ele não poderia atender a imprensa na tarde de quinta-feira (1). Na região Nos 18 municípios da Associação dos Municípios do Extremo-oeste (Ameosc), o saldo foi de 160 vagas, tendo o município de Itapiranga o maior índice, com 54 postos, e Iporã do Oeste, com o pior resultado, com déficit de dez vagas, ou seja, foram demitidos mais trabalhadores que admitidos. Segundo o relatório do MTE. Anchieta fechou o mês com 14 vagas de saldo, Bandeirante, nove; Barra Bonita, apenas uma; Belmonte teve 12 postos de saldo; Descanso registrou queda, e fechou com sete vagas negativas; Dionísio Cerqueira admitiu nove trabalhadores a mais do que os demitidos; Guaraciaba demitiu mais que contratou, com diferença de cinco postos; Guarujá do Sul somou duas contratações a mais; Iporã do Oeste, demitiu dez pessoas a mais dos que as contratadas; Itapiranga, uma das cidades consideradas referências da região, teve um saldo positivo de 54 postos de trabalhos; Mondaí, 43. Já Palma Sola fechou o mês de janeiro no vermelho, com oito demissões a mais que as contratações; a tendência foi seguida por Paraíso, com três postos negativos e Princesa, com cinco vagas a menos. Santa Helena teve apenas uma vaga a mais das fechadas, assim como São João do Oeste, cujo saldo de foi de quatro vagas. São José do Cedro fechou com 35 contratações a mais que as demissões, São Miguel do Oeste, 21 vagas, e Tunápolis, fico negativada, com sete demissões a mais que as contratações.

    07/03/2012 Leia...

    -

  • Em 45 dias, mais de um milhão de litros transportados

    img

    Situação dos municípios da região Extremo-oeste que enfrentam a estiagem é cada vez mais grave

    Guaraciaba A falta de chuva da região Extremo-oeste é cada dia mais preocupante. Fontes secaram, açudes e rios baixaram os níveis e a água para o consumo humano começa a faltar. Na tarde de ontem, a reportagem esteve no município de Guaraciaba para conferir a situação agravante, que se estende há mais de 120 dias, desde a última chuva regular. De lá para cá, as precipitações foram esparsas, afetando, além das lavouras e pastagens, o abastecimento de água aos animais e, agora, para o consumo humano. Segundo dados da secretaria de agricultura, no mês de janeiro foram transportados mais de 300 mil litros de água e, somente nesta primeira quinzena de fevereiro, o volume já alcançou os 710 mil litros. O número de famílias atendidas é de 55, o que representa mais de 250 pessoas. Entretanto, o maior problema é em relação ao abastecimento de água aos animais. Muitas propriedades já não tem mais de onde pegar água e precisam do auxílio dos caminhões-pipas, que trabalhar diariamente no abastecimento. Abastecimento A reportagem acompanhou uma das entregas, Foi na propriedade da família Nerick, na linha Liso, no interior do município. No local, com pouco mais de 24 hectares, Valnei, de 45 anos, a esposa Margarete, de 47, e a filha, Vanessa, de 19, trabalham com vacas de leite e o cultivo de fumo. Segundo Margarete, ontem foi a primeira vez que solicitaram o auxílio da prefeitura, depois de tentativas frustradas de bombear água de um córrego próximo à propriedade. Devido ao declive, as bombas utilizadas não forma capazes de bombear a água aos reservatórios. Ela explicou que são cerca de 50 animais, 20 deles em lactação, que necessitam de água, além de alguns suínos e galinhas utilizados para o consumo da família. Levando em consideração o consumo médio de 100 litros de água por animal por dia, a quantidade necessária somente para a atividade de leite é de cinco mil litros dia. Com isso, os dez mil litros levados pela prefeitura abastecem a propriedade por apenas dois dias, fazendo o uso racional. Para o consumo da residência, a família conta com uma rede de água comunitária, que é abastecida por um posso artesiano, mas mesmo assim, lembrou a agricultora, há a necessidade de economizar. Perdas Com o agravo da estiagem, as pastagens já sucumbem no campo e os animais já não se alimentam direito. Mesmo com a complementação da alimentação no cocho, com silagem e ração, a falta ou diminuição da água, o reflexo é direto na produção, que no caso da família Nerick, é de pelo menos 1,2 mil litros por mês, cerca de R$ 900, uma renda considerável. Na cultura do fumo, a família deve perder pelo menos 50% da produção final. No município Segundo o agrônomo da Secretaria de Agricultura de Guaraciaba, Leonir Dilly, a maior preocupação é em relação ao potencial dos mananciais de água. Conforme ele, os níveis destas fontes de água estão baixando, enquanto a demanda cresce dia a dia. Em função das baixas precipitações nos últimos meses (de 55 a 70 % abaixo do volume histórico para o mês de novembro e de 24 % para o mês de dezembro) as perdas foram expressivas, chegando a 72% no milho – considerando o que foi plantado em novembro e dezembro, 60% na cultura da soja; 40% no fumo, que perdeu em quantidade e qualidade, além dos 30% no leite. Tais perdas devem aumentar se não chover significativamente. O valor das perdas, até ontem, estava estimado em mais de R$ 21,3 milhões. Auxílio Além dos recursos já destinados para o auxílio às famílias, ontem uma carreta tanque, do Corpo de Bombeiros de Caçador, chegou à região Extremo-oeste e foi destinada para atender o município de Guaraciaba. O veículo, com capacidade de transporte de 30 mil litros, deve permanecer por 15 dias. Neste período será usado para transporta água do rio das Antas (distante cerca de 15 quilômetros) até a sede da corporação, no centro de Guaraciaba. Lá, a água será bombeada para caminhões menores, que farão o abastecimento das propriedades. Quinta-feira o veículo fez a primeira viagem, mas a água só começará a ser distribuída na manhã de hoje. A demora se deu pelo fato de que uma bomba de recalque precisou ser instalada no local de carrega
mento da carreta e o acesso ao rio necessitou de algumas melhorias. Os custos do veículo
 serão mantidos pelo Corpo de Bombeiros e do motorista pela Defesa Civil.

    22/02/2012 Leia...

    -

Anúncios

receba o impresso no e-mail em pdf